Artesanato é o seu negócio? 7 dicas para se organizar e fazer bonito

Quero ser um empreendedor melhor

Artigo - 29 de janeiro de 2020

Por Sebrae-SP  | Artesanato, empreendedorismo

O artesanato é a fonte de renda de muita gente. Ainda assim, muitos artesãos acabam priorizando o lado artista em detrimento ao lado empreendedor. Mas se a atividade artística também for um negócio, é preciso se dedicar também às questões burocráticas, como marketing, fluxo de caixa, impostos, preços, custos, etc.

Confira abaixo um roteiro com algumas orientações para organizar seu negócio na área do artesanato e se destacar no mercado:

1-Crie uma boa marca e agregue valor ao seu trabalho. Uma forma de fazer isso é trabalhar com coleções. Uma coleção bem feita cria identidade comum às peças, explora um conceito e conta uma história. Tem que fazer sentido serem apresentadas juntas.

2-Cadastre seus clientes (nome, telefone, e-mail e, se possível, preferências), para que você possa sempre estar divulgando seus trabalhos, e desta forma fidelizando os clientes.

3-Fotografe e anote as peças produzidas, sempre colocando os valores de cada uma para venda.

4-Faça cartões de visita, além de divulgar seus contatos e canais, ajuda a demonstrar a seriedade do seu trabalho.

5-Idealize uma embalagem, tenha papéis de presente, use a criatividade para se diferenciar e criar uma identidade e, mais uma vez, agregar valor ao produto.Se possível, deixe visível informações sobre o seu trabalho, como é feito, materiais, fornecedores, cadeia. O consumidor hoje valoriza muito essas informações.

6-Busque inovação. Um trabalho artístico pode inovar, especialmente no material e nas formas de uso.

7-Mantenha o ambiente bem organizado, assim como suas peças de trabalho, isso passa credibilidade.

Para ajudar nas vendas, as dicas são:

  • Participe de feiras e eventos que tenham aderência com seu produto.
  • Procure parceria com lojas.
  • Dedica-se ao marketing digital pelas redes sociais.

Busque outros canais de venda como condomínio, clube, salão de beleza e estética. Algumas empresas abrem vendas dentro de seus ambientes corporativos, para isso, faça contato com os RHs.

Outra dificuldade comum a quem trabalha com artesanato é precificar o seu produto, equilibrando custos de produção, competitividade no mercado e acessibilidade aos clientes. Por isso, considere, além do perfil do seu público-alvo, que custo não é apenas o de material, mas de tempo de produção e outros indiretos de manutenção do negócio como cursos, luz, água, aluguel e funcionários.

Nesta quinta-feira (30/01) a consultora de negócios do Sebrae-SP Juliana Segallio falará sobre negócios com artesanato, com dicas e orientações, e responderá às dúvidas dos empreendedores ao vivo, às 17h, no canal do Youtube e na página no Facebook do Sebrae-SP. Participe!

Receba conteúdo exclusivo com a Cartilha do MEI cadastrando-se aqui:

Captcha obrigatório

Finalizando o preenchimento do cadastro, você declara estar ciente e aceitar os Termos e Condições de Uso deste site e autoriza o compartilhamento de seus dados com o Sebrae-SP conforme a Lei Geral de Proteção a Dados Pessoais (Lei Nº 13.709, de 14 de agosto de 2018). Acesse e saiba mais.