Como as pequenas empresas financiam os seus negócios?

Quero controlar meu dinheiro

Artigo - 29 de novembro de 2019

Por Sebrae-SP  | Crédito, Financiamento

O Sebrae divulgou esta semana sua última pesquisa nacional quantitativa sobre financiamento de pequenos negócios realizada entre julho e agosto deste ano em parceria com a Checon Pesquisas. Foram entrevistados 6.001 empreendedores MEI, ME e EPP para entender como elas financiam seus negócios.

Entre as empresas pesquisadas, 17% faturam menos de R$ 40 mil no ano, o maior índice – 25% – registra faturamento anual entre R$ 81 mil e R$ 220 mil e 1% declarou que fatura mais de R$ 4,8 milhões. Pela 1ª vez na série histórica iniciada em 2014, os empreendedores com ensino superior são maioria: 45%. Em relação à faixa etária, o maior índice (32%) é daqueles que têm entre 35 a 44. Os homens continuam sendo a maioria dos empreendedores, 66% deles. E 55% são brancos e 41% negros, este último percentual cai para 28% nas EPPs e sobe para 39% nas MEIs.

Confira os principais dados da pesquisa:

Sobre a tomada de empréstimo nos últimos seis meses:

– 18% não pediu – contra 14% em 2018.

Dos que não tentaram empréstimo ou financiamento nos últimos seis meses:

– metade diz que a empresa não precisou, sendo que em 2017 o índice era de 38%

– Os MEIs são os mais avessos a trabalhar com capital de terceiros.

– 14% respondeu que ‘não gosta de empréstimo’ contra 12% das MEs e 10% das EPPs.

– Dos que tentaram, a maioria teve retorno positivo: 63% no geral, sendo 47% entre os MEIs, 69% entre os MEs e 65% entre as EPPs.

– Preocupa a falta de transparência quanto aos motivos para ter o pedido negado pelas instituições. 29% respondeu que o banco não deu justificativas para a negativa.

– Entre as dificuldades, assim como nos anos anteriores, a taxa de juros muito alta é a principal delas, quase metade (44%) deu essa justificativa. Chegando a 50% entre as MEIs.

– Já o perfil MEI foi o que apresentou o maior percentual de entrevistados afirmando não haver encontrado dificuldade – 40%-, contra 27% dos MEs e 30% das EPPs.

– A maioria (52%) tem como finalidade com o empréstimo o capital de giro. Índice que chegou a 60% em 2018 e chega a 56% nas MEs neste ano. Entre os MEIs, 40% alegaram capital giro e 41% para reforma ou ampliação do negócio.

– 27% captou mais de 60 mil, o maior percentual. Já praticamente 1 em cada 2 entrevistados do perfil MEI (46%) solicitou um empréstimo até o valor de R$ 10.000

– Com opção de garantia para a liberação de crédito – seja para quem pediu ou não – observa-se a existência de uma diversidade de garantias passíveis de serem utilizadas pelos empreendedores. Veículos foi o item escolhido de 40%.

– Em 2019, o percentual de empreendedores utilizando ‘cartão de crédito empresarial’ como tipo de financiamento foi o maior valor já apurado na série, utilizado por metade dos empreendedores. Em 2018, esse percentual era de 21%.

– 70% dos MEIs pediram algum tipo de empréstimo nos últimos 5 anos como PF.

– No geral, os empréstimos PJ caíram para o menor patamar da série histórica, ficando em 60% que já pediram algum empréstimo ou financiamento em bancos nos últimos cinco anos como pessoa física. Em 2014 e 2015, esse percentual foi de 77%.

– Os serviços de empréstimos do sistema bancário no País foram avaliados como ruim ou muito ruim pela maioria – 57% – só 8% considerou regular. Índices que seguem um padrão desde 2015.

– A região geográfica mais crítica quanto aos serviços de empréstimo do sistema bancário é o Sudeste, com o total de ‘muito ruim’ e ‘ruim’ chegando a 60%

– A redução de juros é a principal demanda dos empreendedores – independente de porte – para facilitar os serviços de crédito no País, citada por 51% deles.

– Itaú, Bradesco e Caixa foram citados por 17% cada como banco de relacionamento. Na sequência, com 15%, aparece o Banco do Brasil. Entre os MEIs, a Caixa é o banco de 21%. Já nas EPPs a maioria lida com o Itaú.

– Com relação aos canais, a solicitação de empréstimos por meio da internet se constitui ainda em algo pouco utilizado pelo perfil de pequenas empresas no Brasil – apenas 9% e, destes 46% foi via app, meio mais popular principalmente nas regiões Sul e Sudeste do país. A facilidade de uso foi o motivo mais citado (48%) para a escolha.

-Daqueles que nunca fizeram empréstimos/financiamentos pela internet, que foi a grande maioria, o principal motivo alegado foi a falta de confiança na plataforma online (26%).

– A pesquisa apontou ainda que o conhecimento sobre as Empresas Simples de Crédito é praticamente nulo, em qualquer porte e qualquer estado do País.