Dicas para abrir um negócio durante a crise

Quero abrir minha empresa

Artigo - 26 de maio de 2020

Por Sebrae-SP  | empreendedorismo

Muita gente tinha o plano de abrir um negócio em 2020. Na virada do ano, havia a perspectiva de atividades promissoras, principalmente no setor de serviços.

Com a pandemia do novo coronavírus, o cenário mudou. Se por um lado algumas tendências perderam a relevância por conta da crise sanitária, outras oportunidades surgiram e ainda há aquelas que se tornaram ainda mais promissoras, como o e-commerce.

O novo cenário em relação à saúde e o novo comportamento do consumidor abrem algumas novas oportunidades de abrir um negócio a serem exploradas, mesmo em meio à uma crise.

De acordo com levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a partir de informações da Junta Comercial do Estado de São Paulo, publicadas semanalmente no Diário Oficial, foram abertas 1.265 novas empresas e 136 novas filiais no período entre a 14ª e 18ª semana do ano. Dessas, 564 eram micro e pequenas empresas.

Se você também pensa em abrir um negócio nesse cenário de crise, confira algumas dicas e orientações para aumentar sua chance de sucesso.

Lembre-se que no pós-pandemia haverá questionamentos e novas necessidades: clientes vão querer entrar em lojas cheias? Como será o manuseio de alimentos?

Por isso, é importante estar atento a essas necessidades e demandas e pensar como você pode ofertar valor ao consumidor ao abrir um negócio.

Pontos importantes a serem observados:

– Tenho a infraestrutura para abastecer esse negócio?

– Possuo conhecimento necessário ou posso me atualizar rapidamente?

– Consigo recorrer a parcerias?

– Tenho bons fornecedores?

A dica é investir em relacionamento:

– Com seus clientes.

– Com fornecedores.

–  Com o gerente do banco.

E mantenhas seus controles em ordem. Além disso, caso a natureza do negócio permita, o empreendedor deve investir nas vendas online e no delivery.

Outro ponto importante: precisa entender que o mundo está em uma transformação digital acelerada. É preciso se adaptar, senão você fica de fora.

A única forma de reduzir riscos é ter um bom planejamento. O risco do negócio está diretamente relacionado em como se preparou para geri-lo e quais são as suas principais dependências. Ex: depende de produtos importados?

O planejamento ajuda a mitigar risco, mas não é possível eliminá-los. Não é possível prever setores com mais ou menos riscos, mas é possível avaliar alguns pontos nesse cenário.

A fabricação de máscaras, por exemplo, é algo extremamente útil e demandado nesse momento. Mas com o passar do tempo a tendência é que essa demanda se estabilize.

A pandemia e a restrição trazidas com ela mostraram o quanto o negócio está exposto a períodos de recessão se não houver uma reserva técnica.

Essa recessão agora é causada por um vírus, mas uma greve de caminhoneiros, por exemplo, também traria problemas a esses empreendedores que não dispõe desse recurso.

Outras recomendações importantes:

1º Uso de Mídias Sociais
Com o cliente está em casa, use ferramentas digitais para chegar até ele. Invista na criação de perfis da empesa nas principais mídias sociais (Instagram e Facebook).

2º Plataformas de vendas online
Se a sua empresa ainda não conta com ferramentas de venda online, esse é o momento de tomar essa atitude. Avalie qual das plataformas disponíveis mais se adequa às suas necessidades. Procure marketplaces já estabelecidos e estude os custos. Investir nas vendas online vale para vários setores: um personal trainer pode dar aulas a distância para fazer dentro de casa, por exemplo.

3º Aplicativos de delivery
É melhor se adequar ao delivery do que não vender. No segmento de alimentação, a adesão dos bares e restaurantes a esses aplicativos se tornou uma necessidade neste momento de crise. É hora de ser criativo: uma cervejaria pode vender kits com chope e petiscos para quem quer fazer happy hour dentro de casa.

4º Avalie seus custos
É fundamental conhecer bem os custos da sua empresa. Avalie quais são imprescindíveis para manter o negócio operando. Priorize os fundamentais e corte ou reduza os demais. Para quem paga aluguel, é hora de negociar um abatimento. Demissões só em último caso: além do custo da rescisão, você irá perder mão de obra importante para a retomada no futuro.

5º Negocie com seus fornecedores
Negocie com os fornecedores um melhor prazo para cumprir seus compromissos. Isso pode trazer o fôlego para manter em dia aqueles gastos e despesas que não podem ser adiados.

6- Busque apoio
Atuar em rede por meio de parcerias pode ser uma forma inteligente de enfrentar o momento de crise. Se bem feita, elas podem ser úteis para dividir parte de seus processos, reforçar a comunicação, ampliar canais de vendas e até mesmo reduzir custos.

Com o avanço da pandemia, surgiram boas iniciativas para apoiar as pequenas empresas. Ainda assim, talvez a principal ação seja a junção de esforços entre empreendedores.

Saiba mais sobre as Redes de Apoio acessando o e-book.

Para quem busca atendimento, o Sebrae-SP está funcionando 100% remoto e digital, com novas ferramentas e capacitações a distância. É possível falar com um consultor pelo telefone 0800 570 0800 ou buscar informações no portal sebraesp.com.br.

Já quem quer aproveitar o período para fazer cursos online, há 117 opções gratuitas disponíveis no endereço ead.sebraesp.com.br.

O Sebrae-SP está realizando transmissões ao vivo diariamente às 17h com seus consultores via Facebook  para tirar as dúvidas dos empreendedores de diferentes segmentos, entre eles crédito e renegociação de contratos. Participe!